Em 10 de agosto de 2017, o Supremo Tribunal Federal divulgou o acórdão dos embargos de declaração, opostos pelas partes recorridas (dois servidores em litisconsórcio) e pelo Procurador-Geral da República contra a decisão colegiada anterior da Corte, proferida no julgamento do Recurso Extraordinário nº 638.115, sob a relatoria do Ministro Gilmar Mendes.

Em março de 2015, por maioria, o Supremo deu provimento ao recurso excepcional da União para afirmar a ausência de amparo legal - na Medida Provisória 2.225-45 - para a incorporação de parcelas de quintos de funções comissionadas/cargo em comissão, referentes ao período entre 8 de abril de 1998 até 4 de setembro de 2001. O acórdão original foi objeto dos referidos declaratórios, que foram rejeitados e mantiveram a decisão anterior.

Não fossem suficientes os argumentos incomuns à competência do STF e aos efeitos de um recurso extraordinário na decisão original, processualmente restritos às partes e a processos de conhecimento em andamento, a Corte aprofundou um caminho perigoso a garantias constitucionais fundamentais (coisa julgada, direito adquirido, decadência de anulação de atos administrativos), afirmando que todos os órgãos públicos podem cancelar as incorporações, imediatamente.

Ao fugir do âmbito próprio do recurso extraordinário, o Supremo cometeu vários erros e impropriedades. Alguns erros são típicos de julgamentos passionais, em que os objetivos de poucos importam mais que o direito de muitos, como a referência reiterada à “MP 2.225-48” [sic], em vez de MP 2.225-45. Outros, bem mais graves, como: (1) permitir a desconstituição de decisões administrativas acobertadas pela decadência do artigo 54 da Lei 9.784/99 (caso de todos os servidores do Poder Judiciário da União), ou seja, ocorridas há mais de cinco anos (as incorporações no PJU foram administrativas, com a rara exceção do STF, em que foi exclusivamente judicial); (2) distorcer o que se decidiu no RE 730.462 (que exige rescisória para desconstituir coisa julgada e, quanto aos efeitos futuros, partiu da discussão dos efeitos de inconstitucionalidade veiculada pelo controle concentrado – ADI, que obedece a sistemática diversa do controle incidental - RE); (3) afirmar que as incorporações somente são possíveis somente até 11/11/1997, como se revogasse a Lei 9.624, de 1998, que permitiu a incorporação residual até 8 de abril de 1998 (essa matéria nunca foi objeto de controvérsia).

Sobre o corte da incorporação dos quintos/VPNI na folha de pagamento mensal, nos próximos meses, os servidores devem estar preparados para uma nova batalha. Desde 2015, tramita no Conselho da Justiça Federal um processo administrativo para o cancelamento dos pagamentos, com parecer radical da unidade técnica, aguardando-se apenas a solução apresentada pelo Supremo. Outros órgãos do PJU farão o mesmo. Alguns sobrestaram a análise com a oposição dos embargos, mas agora devem prosseguir com seu intento.

Se isso ocorrer, o sindicato está preparado para impugnar judicialmente qualquer tentativa, no fluxo de argumentos como a decadência após 5 anos de percepção da parcela (Lei 9784/99, artigo 54), fato que o relator preferiu ignorar no ED-RE-RG nº 635.118 (embora tenha sido um dos principais argumentos dos embargos). Como as decisões administrativas de reconhecimento e incorporação dos quintos no período de 8/4/1998 e 04/09/2001 ocorreram há bem mais que 5 anos (a maioria entre 2004 e 2008), a administração não detém mais o direito de anular o recebimento mensal. Além desses, outros argumentos contornam o direito à manutenção, o que se evitará esgotar nesta nota.

Qualquer tentativa, notificação ou corte efetuado aos servidores deve – imediatamente - ser comunicado ao jurídico do Sinpojufes, que monitora a situação pela assessoria jurídica em Brasília (Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados), para que adote as providências necessárias à discussão sobre a manutenção dos pagamentos mensais na folha do filiado.

O servidor será informado dos desdobramentos coletivos envolvidos, através das mídias sindicais, a que se recomenda a leitura atenta, assim como a participação em assembleias e reuniões que sejam convocadas com essa temática.

"> Sinpojufes
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

11/08/2017

SINPOJUFES ESCLARECE DECISÃO DO STF SOBRE CORTE NA INCORPORAÇÃO DE QUINTOS DE FUNÇÕES COMISSIONADAS E CARGOS EM COMISSÃO

 

Em 10 de agosto de 2017, o Supremo Tribunal Federal divulgou o acórdão dos embargos de declaração, opostos pelas partes recorridas (dois servidores em litisconsórcio) e pelo Procurador-Geral da República contra a decisão colegiada anterior da Corte, proferida no julgamento do Recurso Extraordinário nº 638.115, sob a relatoria do Ministro Gilmar Mendes.

Em março de 2015, por maioria, o Supremo deu provimento ao recurso excepcional da União para afirmar a ausência de amparo legal - na Medida Provisória 2.225-45 - para a incorporação de parcelas de quintos de funções comissionadas/cargo em comissão, referentes ao período entre 8 de abril de 1998 até 4 de setembro de 2001. O acórdão original foi objeto dos referidos declaratórios, que foram rejeitados e mantiveram a decisão anterior.

Não fossem suficientes os argumentos incomuns à competência do STF e aos efeitos de um recurso extraordinário na decisão original, processualmente restritos às partes e a processos de conhecimento em andamento, a Corte aprofundou um caminho perigoso a garantias constitucionais fundamentais (coisa julgada, direito adquirido, decadência de anulação de atos administrativos), afirmando que todos os órgãos públicos podem cancelar as incorporações, imediatamente.

Ao fugir do âmbito próprio do recurso extraordinário, o Supremo cometeu vários erros e impropriedades. Alguns erros são típicos de julgamentos passionais, em que os objetivos de poucos importam mais que o direito de muitos, como a referência reiterada à “MP 2.225-48” [sic], em vez de MP 2.225-45. Outros, bem mais graves, como: (1) permitir a desconstituição de decisões administrativas acobertadas pela decadência do artigo 54 da Lei 9.784/99 (caso de todos os servidores do Poder Judiciário da União), ou seja, ocorridas há mais de cinco anos (as incorporações no PJU foram administrativas, com a rara exceção do STF, em que foi exclusivamente judicial); (2) distorcer o que se decidiu no RE 730.462 (que exige rescisória para desconstituir coisa julgada e, quanto aos efeitos futuros, partiu da discussão dos efeitos de inconstitucionalidade veiculada pelo controle concentrado – ADI, que obedece a sistemática diversa do controle incidental - RE); (3) afirmar que as incorporações somente são possíveis somente até 11/11/1997, como se revogasse a Lei 9.624, de 1998, que permitiu a incorporação residual até 8 de abril de 1998 (essa matéria nunca foi objeto de controvérsia).

Sobre o corte da incorporação dos quintos/VPNI na folha de pagamento mensal, nos próximos meses, os servidores devem estar preparados para uma nova batalha. Desde 2015, tramita no Conselho da Justiça Federal um processo administrativo para o cancelamento dos pagamentos, com parecer radical da unidade técnica, aguardando-se apenas a solução apresentada pelo Supremo. Outros órgãos do PJU farão o mesmo. Alguns sobrestaram a análise com a oposição dos embargos, mas agora devem prosseguir com seu intento.

Se isso ocorrer, o sindicato está preparado para impugnar judicialmente qualquer tentativa, no fluxo de argumentos como a decadência após 5 anos de percepção da parcela (Lei 9784/99, artigo 54), fato que o relator preferiu ignorar no ED-RE-RG nº 635.118 (embora tenha sido um dos principais argumentos dos embargos). Como as decisões administrativas de reconhecimento e incorporação dos quintos no período de 8/4/1998 e 04/09/2001 ocorreram há bem mais que 5 anos (a maioria entre 2004 e 2008), a administração não detém mais o direito de anular o recebimento mensal. Além desses, outros argumentos contornam o direito à manutenção, o que se evitará esgotar nesta nota.

Qualquer tentativa, notificação ou corte efetuado aos servidores deve – imediatamente - ser comunicado ao jurídico do Sinpojufes, que monitora a situação pela assessoria jurídica em Brasília (Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados), para que adote as providências necessárias à discussão sobre a manutenção dos pagamentos mensais na folha do filiado.

O servidor será informado dos desdobramentos coletivos envolvidos, através das mídias sindicais, a que se recomenda a leitura atenta, assim como a participação em assembleias e reuniões que sejam convocadas com essa temática.



    + Notícias 06/12/2017

    #NãoSomosPrivilegiados! Terça-feira é marcada por mobilizações em defesa da dignidade do servidor público

        A defesa da dignidade do servidor público e uma manifestação de repúdio à propaganda mentirosa do Governo Federal - que trata os servidores como privilegiados - marcaram os atos realizados em Vitória/ES, nesta terça-feira (05), convocados pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do Espírito Santo (Sinpojufes).   A diretoria do sindicato capixaba percorreu as três esferas do...

    02/12/2017

    PJU: Categoria capixaba vai realizar manifestação de repúdio à propaganda do Governo Federal que trata servidores como privilegiados

      Os servidores do Poder Judiciário da União (PJU) – Justiças Eleitoral, Federal e Trabalhista – no Espírito Santo vão realizar manifestações com paralisações das atividades, na próxima terça-feira (05/12), em repúdio à propaganda publicitária veiculada pelo Governo Federal que trata os servidores públicos como privilegiados.   A decisão foi tomada durante Asse...

    29/11/2017

    Sinpojufes participa de ato contra a Reforma da Previdência e pela anulação da EC 95 e da Reforma Trabalhista

      Representantes do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do Espírito Santo (Sinpojufes) participaram do ato público "Ocupa Brasília", que tomou a frente do Anexo II da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (28). A manifestação integra o calendário de lutas deliberado durante a XXI PLenária da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério P&u...

    28/11/2017

    CONVOCAÇÃO - Assembleia Geral Extraordinária

    Os servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do Espírito Santo estão convocados a participarem de Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da categoria em que será avaliada a adesão da base representada pelo Sinpojufes à Greve Geral prevista para o dia 05/12 ou manifestação alternativa, contra o ataque implementado pelo Governo Federal contra os Servidores Públicos relativo à Reforma da Previdência.   A...

    20/11/2017

    CONVOCATÓRIA PARA PARTICIPAÇÃO DE MOBILIZAÇÃO EM BRASÍLIA

      O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do Espírito Santo (Sinpojufes) convoca a categoria para participar de mobilização nacional denominada “Cerco ao Congresso Nacional”, que acontecerá em Brasília no dia 28 de novembro e tem por objetivo a luta contra a Emenda Constitucional 95/16, a Reforma Previdenciária e a defesa ao Serviço Público.   Três representantes da base capixab...

    13/11/2017

    Delegados do Sinpojufes representam a base capixaba do PJU na XXI Plenária Nacional da Fenajufe

      A XXI Plenária da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe) aconteceu nestes dias 9, 10, 11 e 12 de novembro em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, com a presença de representantes sindicais de todo o país, para definirem o plano de lutas e ações da categoria para o próximo ano. A base capixaba foi representada por três delegados no encontro: o...

    11/11/2017

    Sinpojufes conquista apoio oficial do TRE-ES para a exigência de Nível Superior para novos Técnicos Judiciários

      O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo (TRE-ES), desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, oficializou o apoio institucional daquela Corte à luta da categoria em prol da exigência do Nível Superior (NS) para o ingresso no cargo de Técnico Judiciário. A importante vitória foi conquistada após ação articulada do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do...

    09/11/2017

    Alíquota previdenciária: Sindicato vai propor ação para anular aumento da contribuição

      Uma ação coletiva com pedido de tutela de urgência será proposta pela Assessoria Jurídica do Sinpojufes para combater o aumento da alíquota previdenciária para servidores do PJU. Isso porque o Governo Federal editou Medida Provisória (nº 805, de 30 de outubro de 2017) que, entre outras finalidades, altera a Lei 10.887/2004 e estabeleceu a progressividade da alíquota previdenciária, conforme a faixa remunerató...

    09/11/2017

    Sinpojufes acompanha, no STF, andamento de Recurso Especial sobre os Quintos

      O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário no Estado do Espírito Santo (Sinpojufes) acompanha o andamento do Recurso Especial (RE 638.115), em apreciação no Supremo Tribunal Federal (STF) e que trata da incorporação de quintos decorrentes do exercício de funções comissionadas e/ou gratificadas. Nesta quarta-feira (08), a Vice-Diretora Financeira do Sindicato, Anete Maria de Barros, esteve em Brasília participando d...

    01/11/2017

    Encontro nacional de técnicos judiciários debate estratégias para garantir avanço das propostas do NS

      A estratégia de luta para que a proposta do nível superior (NS) avance de forma mais efetiva nas instâncias deliberativas da Administração do Poder Judiciário da União (PJU) e do Ministério Público da União (MPU) foi o ponto central do Encontro Nacional dos Técnicos Judiciários (Encontec). Organizado pelo Coletivo de Técnicos do Judiciário Federal do Rio de Janeiro (Cotec-RJ), do Sisejufe, o ...

    Clique aqui para exibir mais notícias